Revelação: As estratégias que aumentaram minha audiência

Revelação: As estratégias que aumentaram minha audiência

Dizer que houve apenas um modo, que em um passo cheguei a audiência que tenho hoje, seria mentira. Então vou revelar para você a minha principal estratégia por trás dos resultados alcançados - até agora.

 

Atualmente tenho mais de 1.600 inscritos no Youtube, com uma média de 200 visualizações por vídeo, e os mais polêmicos chegam a ultrapassar 400.

 

No Facebook  as curtidas passam de 6.700, e as Lives já chegaram a 1,8 mil visualizações. Também tenho outros canais como Twitter, Instagram, onde sou menos ativa, entretanto, com números bastante satisfatórios.

 

Mas a pergunta que fica aqui - e que você precisa se fazer - é:

 

Esses números são expressivos?

 

Pode parecer que NÃO. Mas o que faz minha audiência ser qualificada o suficiente, é o quanto as pessoas que me seguem estão engajadas com o meu conteúdo.

 

Minha ideia nunca foi buscar o maior número de inscritos ou seguidores, e sim conquistar, conseguir chamar a atenção das pessoas que realmente precisavam da transformação que eu oferecia, meus verdadeiros clientes ideais. E deu certo!

 

Meça o engajamento do seu público de acordo com a interação que você consegue com ele. Comentários, compartilhamentos e e-mails de resposta são os indicadores de uma boa audiência.

 

Na última semana, por exemplo, recebi vários e-mails de pessoas que assistiram um vídeo, viram um post em minhas redes sociais e quiseram saber mais sobre o assunto, tirar suas dúvidas. O nosso papel nessa hora é de responder ao público com clareza.

Essa atitude faz parte da minha estratégia desde o início, e te encorajo a agir da mesma maneira. Além disso, deixo aqui para você, três dicas, que comigo, funcionaram muito bem.

 

 

1. Utilize o YouTube para engajamento

 

Lembro que quando decidi “mergulhar” no mundo do marketing digital, comecei abrindo uma conta no canal do YouTube, e é claro que os primeiros inscritos eram meus familiares e colegas (mas mesmo eles já eram bem engajados. hahaha)

 

Comecei postando alguns vídeos por semana, abordava o conteúdo de forma clara e objetiva de uma maneira que qualquer pessoa interessada pudesse se conectar com a minha linguagem.

 

Em alguns outros vídeos eu apenas citei mentores e até vídeos do YouTube em particular, o que fez com que as pessoas se identificassem com meu conteúdo. Cada vez mais pessoas se inscreviam e consequentemente começavam a participar de minhas outras redes sociais.

 

Revelar minha verdadeira identidade com vídeos e pontos de vista autênticos me levou a um público muito mais interativo do que disponibilizar um PDF gratuito (embora eu tenha feito isso também). Assistindo meus vídeos e lendo meus posts as pessoas poderiam interagir comigo, e eu prontamente estaria disposta a esclarecer mais e mais.

 

Com o tempo meus vídeos do YouTube foram “rankeando” no Google a tal ponto de alguns alunos da minha segunda turma chegarem a mim simplesmente de forma orgânica. Quanto mais eu gravava vídeos com conteúdos de qualidade e com assuntos pertinentes ao meu público, mais meu canal performava.

 

Te contar como decidi qual seria meu canal de distribuição, não tem como objetivo dizer a você que crie um canal no YouTube e grave vídeos, apesar de ser uma ótima sugestão. Meu único objetivo é te mostrar o quanto


É importante ter clareza desde o princípio quanto aos meios de distribuição que você irá usar para conectar-se com seu público e consequentemente gerar audiência.

Com minha experiência posso afirmar que a grande estratégia responsável por me trazer uma audiência de qualidade, foi desde o início, definir quais canais usaria para levar minha mensagem ao meu público, e ter clareza de que iria aproveitar ao máximo a visibilidade que esse canal me daria.

 

É óbvio que por trás disso já existia um “público alvo” bem estudado, o que me ajudou a saber “o que falar” e para “quem falar”.

 

 

2. Facebook Ads é uma excelente fonte de tráfego

 

Um pouco depois de colher alguns resultados, direcionei minha atenção ao Facebook Ads, onde também foi possível por tráfego orgânico, conquistar alguns clientes pagantes. Embora focar em tráfego orgânico não seja a melhor das estratégias para alavancar um negócio online, inclui-la dentro de seu planejamento estratégico pode trazer muitos resultados positivos a longo prazo.

 

Importante: Qualquer pessoa que enxergue os custos com divulgação online um “GASTO”, não está com a mentalidade certa para empreender. Criar visibilidade na internet trata-se de um "INVESTIMENTO", e quando isso se faz de forma bem planejada, estratégica e segmentada, o retorno tende a vir em curto prazo.

 

 

3. Relacionamento por e-mail é uma ótima decisão

 

Um ponto vital no relacionamento com meu público, é manter uma interação por e-mail constante. Responder um a um dá trabalho e nem sempre é possível fazê-lo dentro de um prazo curto, entretanto, ao decidir abrir esse canal de diálogo com a minha audiência, percebi na prática, a importância do retorno obtido.

 

Por e-mail consegui enxergar mais de perto a verdadeira “dor” do meu cliente, e ter isso claro me facilitava muito proporcionar algo realmente transformador. Inclusive, foi essa interação por e-mail com meu público que me fez reestruturar cada um dos meus lançamentos e repensar alguns pontos do meu curso. Ter uma visão macro possibilitou uma entrega muito mais qualificada.



Conclusão

Imaginar que se munir somente de ferramentas gratuitas, abordar qualquer conteúdo superficial e contar apenas com o tráfego orgânico, vai gerar vendas e retorno financeiro é pura ILUSÃO.

 

O mundo dos negócios fora e dentro da internet requer qualidade, esforço, trabalho com comprometimento e investimentos. Vender algo pela internet não significa vender qualquer coisa a qualquer um.

 

Ao menos, não para quem é sério e não está de brincadeira em busca do sucesso. O segredo aqui sempre foi, e sempre será, oferecer uma transformação real a quem está buscando por isso.

 

Abraços,

Priscila



Haters: como lidar com eles?

Haters: como lidar com eles?

3 dicas para montar seu conteúdo gratuito

3 dicas para montar seu conteúdo gratuito