Não tente transformar as pessoas EM VOCÊ

Não tente transformar as pessoas EM VOCÊ

Esse é um erro clássico de quem está começando a produzir seu curso online (e até de quem já é veterano no assunto).

 

Tenho certeza que você percorreu um longo caminho até aqui. Foram horas de estudo e prática para adquirir a expertise que tem hoje, sem contar todos aqueles desafios extras que te moldaram como está agora.

 

Essa história, que carrega suas conquistas e sonhos é linda e até indispensável... Para os bastidores do seu negócio ou curso.

 

Mas sabe de uma coisa? O seu cliente não dá a mínima.

 

Isso mesmo. É a mais pura verdade e é completamente normal. Nós estamos ocupados demais para sentar e apreciar a história e a origem de todas as coisas, infelizmente.

 

Ou vai me dizer que a cada vez que compra um móvel, uma roupa ou até mesmo escolhe a escola do seu filho, você se preocupa em chamar o responsável pelo produto ou serviço e indagar coisas do tipo “como você conseguia conciliar trabalho com estudos” ou “quantas horas de provas você fez para garantir tal coisa”?

 

Não, certo? A preocupação de todo mundo quando adquire algo é o benefício, o resultado que aquilo vai trazer, a solução para um problema.

 

E para ter resultados, uma pessoa não necessariamente precisa passar por uma história como a sua.

 

Ela precisa apenas de você, para conduzi-la por um caminho mais simples até lá.

 

Percebe a diferença? Ela precisa DE você e não de SER você.

 

O erro clássico que mencionei é justamente construir um curso tendo em mente a segunda afirmação e com isso querer colocar dentro dele basicamente, tudo que você aprendeu em seus anos de experiência.

 

Para evitar que isso aconteça e esgote tanto você quanto seu aluno, vou te dar duas dicas.

 

Mantenha elas em mente enquanto estiver desenvolvendo seu material, para garantir que o seu produto tenha uma chance a mais de sucesso no mercado, ok?

BRASIL_Pinterest_4 (3).jpg

 

1. Seja objetivo

 

Curso online não é graduação.

 

Você já sabe que seu cliente não quer ser você ou ter exatamente a mesma expertise que a sua, então não enrole para entregar o necessário.

Alguns cursos de mestrado e doutorado não chegam a 50 horas/aula. Porque então seu curso - que não é formal - deveria chegar ou passar disso?

 

Claro que, tudo depende do nicho e do conteúdo ensinado, mas eu tenho certeza que é possível muito menos horas que isso para que você entregue ao seu cliente a transformação desejada.

 

Foque nos conteúdos que permitam isso e exclua tudo aquilo que não seja essencial para o aprendizado.

 

Curiosidades e fatos históricos sobre o assunto podem ser colocados em um PDF extra de leitura complementar, por exemplo.

 

Vídeo aulas precisam ser dinâmicas, entregar valor durante toda sua duração e o ideal é que não tenham mais de 15 minutos.

 

Nosso cérebro fica cansado de ficar atento tanto tempo a uma mesma coisa e passa a reter cada vez menos informações.

 

Por isso, quanto maior forem suas aulas, maior a chance de algo passar despercebido e surgirem dúvidas ou falta de compreensão por quem assiste.

 

Claro que exceções acontecem, afinal de contas alguns assuntos são um pouco mais extensos.

 

Está tudo bem ter algumas aulas longas, desde que sejam exceções e não a regra do seu curso. Foco na objetividade, combinado?


 

2. Ensine por metáforas

 

Quando as pessoas me procuram para aprender a criar um curso online, elas querem colocar seu conhecimento a disposição de outros e não necessariamente ser um instrucional designer.

 

Por isso mesmo não faria sentido eu passar horas explicando todos nomes técnicos e fatos históricos da minha profissão.

 

Ao finalizar, isso não será importante para ela, e talvez ela nem se lembre.

 

No entanto, muitos conceitos são essenciais para absorver o melhor caminho de desenhar seu curso. Como driblar isso, sem prejudicar seu cliente?

 

Simplifique e explique por metáforas.

 

Calma. Não estou falando para você ser uma figura que só fala bonito e cospe pérolas de sabedoria o tempo inteiro. Nada disso.

 

Apenas se preocupe em relacionar o que é novo para seu aluno com coisas que já são familiares a ele.

 

Por exemplo: Utilizamos princípios da andragogia para criar um curso, mas poucas pessoas estão familiarizadas com o termo.

 

Posso passar os próximos 3 parágrafos falando sobre isso ou posso simplesmente explicar que a andragogia é tipo a pedagogia, só que para adultos.

 

Pedagogia > relacionado ao aprendizado de crianças e adolescentes

Andragogia > relacionado ao aprendizado de adultos

 

Usei duas frases a mais para exemplificar o conceito, mas a verdade é que na frase anterior já havia ficado claro sobre o que o termo se tratava, concorda?

 

Experimente fazer isso aí com algo da sua área: tal coisa é tipo o que? Como é possível simplificar o que você sabe e levar seu cliente direto ao ponto?

 

Lembre-se disso quando estiver escrevendo suas aulas, tenho certeza que seus futuros alunos agradecem =)


 

Por hoje é isso. Tenha clareza de que você é necessário na vida de muitas pessoas, mas a luta sua não é a delas.

 

Elas tem outras conquistas pela frente e precisam do conhecimento que você já tem para chegar lá.

 

Por isso, seja objetivo, simplifique e mãos a obra, pois tem muita transformação por aí precisando de você para acontecer.

 

Abraços,

Priscila



Como chegar ao topo do seu mercado, com cursos online

Como chegar ao topo do seu mercado, com cursos online

3 ações não negociáveis para fazer seu curso ser um sucesso

3 ações não negociáveis para fazer seu curso ser um sucesso